“— Por que você fuma tão depressa?
— Vocês fumam para saborear. Eu fumo para morrer.“
Quem é você, Alasca? (via romanteios)

“Não gostava de nada. Vai ver eu estava com medo. É isso: eu tinha medo. Eu queria ficar sozinho num quarto com a janela fechada. Fiquei curtindo essa ideia. Eu era um trambolho. Eu era um lunático.“
Charles Bukowski.   (via casebre)

“Mulheres são como maçãs em árvores. As melhores estão no topo. Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão, que não são boas como as do topo, mas são fáceis de se conseguir. Assim as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas, quando na verdade, eles estão errados… Elas têm que esperar um pouco para o homem certo chegar, aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.“
Machado de Assis. (via repouse)



“E da próxima vez que for sair na chuva, vê se antes aprende a se molhar.“
Gabito Nunes.  (via romanteios)

“O problema era esse: ele nem tentava ser bonito, e era! Abria a boca de um jeito que ninguém podia prever o que sairia. E, no entanto, fazia brotar as melhores palavras. Ele nem tentava ser poeta… e era! Nunca escrevia mas, quando o fazia por mim, desbancava todos esses homens que vivem pelas madrugadas rabiscando. Não tentava sorrir por fotografia ou gentileza, mas quando espontâneamente ria, era capaz de desarmar uma bomba. E eu… bem, eu treinava sorrisos no espelho. Vestia cada uma das minhas peças de roupa para estar à altura dele jogado na cama de moletom. Ele sequer penteava o cabelo de manhã e já era o homem mais lindo do mundo. Enquanto eu precisava de, no mínimo, um batom. É que algumas pessoas são bonitas porque são. Assim, sem nem tentar. Depois de um dia inteiro gripado ou com as unhas roídas, eu ainda me perguntava “Deus, por que tudo isso?” Ele era essa tempestade toda que me entrou pela sala e molhou a casa inteira sem nem compreender o estrago, sem ao menos planejar. E eu era a criança boba de vestido solto e língua de fora que gostava de tomar chuva. Ele nem tentava ser forte! E era… inundou minha consciência todinha. Por outro lado, eu era essa fraqueza toda que nem conseguia fechar as janelas. Ele não ensaiava nada e, na hora, mantinha um improviso digno de qualquer comédia. Eu era a boba que vinha pelo caminho treinando a fala para não gaguejar. Sem dúvidas eu era uma ondulação causada por gota de chuva… e ele era um tsunami. Nada mais, nada menos. O problema era esse. Ele nem ao menos tentava me ganhar… e olha só como eu estou: quase afogada.“
Rio-doce (via rio-doce)

“Quis voltar para onde tudo parou e tentar fazer de lá um novo começo. Um recomeço qualquer, mais bonito, diferente, sem os erros do passado. Mas percebi que inevitavelmente o tempo passa e as pessoas mudam e as lágrimas secam e você começa a se reerguer devagar. Então, sem tentar fazer força, você olha o que restou dos castelos que a onda levou. E percebe que está na hora de mudar de praia, de areia, de estrutura de castelo. E começar uma nova história. Do zero.“
Clarissa Corrêa. (via repouse)

http://oxigenio-dapalavra.tumblr.com/post/99368733575/pra-alguma-coisa-eu-to-servindo-nem-que-seja-pra

pra alguma coisa eu tô servindo, nem que seja pra escrever poemas horríveis e dizer o quanto a vida é uma vadiazinha sacana, ou como a vadiazinha sacana sou eu. tô servindo pra acordar tarde e contemplar o meu nada como uma obra de arte a lá van gogh, baby. sirvo pra sujar a casa, cuspir nos…


(c)